Sobre o trote na realeza

RETIRADO DO SITE Carta Capital

Por Yvonne Roberts

O filósofo e psicólogo Erich Fromm escreveu nos anos 1950 que se continuassem as tendências predominantes de se colocar a produção econômica antes do envolvimento humano todos acabaríamos ocupando uma sociedade perigosamente desequilibrada, povoada por indivíduos alienados que vivem existências atomizadas, carentes de empatia, rápidos para julgar porque o julgamento pelos outros é sempre previsto, equipados com “o maior poder material mas sem a sabedoria para usá-lo”.

Os radialistas Mel Greig e Michael Christian, autores da pegadinha no hospital onde a princesa estava internada. Foto: AFP Photo

O que poderia deter a marcha para o sofrimento, ele argumentou de modo idealista em A Sociedade Sã, seria compartilhar as experiências, vivendo por meio de “amor, razão e fé”.

Continuar lendo

Humanidade já está vivendo de “crédito ecológico”

RETIRADO DO site Carta Maior

-x-x-x-x-x-x-

Humanidade já está vivendo de “crédito ecológico”

A humanidade está vivendo de crédito ecológico desde o dia 22 de agosto. Neste dia, alcançamos o que a ONG Global Footprint Network chama de “Global Overshoot Day”, o “Dia do Excesso Global”. Isso significa que, nos primeiros oito meses do ano, os seres humanos esgotaram a totalidade dos recursos que a Terra é capaz de produzir ao longo do ano. Desde a década de 70, os seres humanos estão vivendo muito acima de seus meios. para manter o nível de vida atual seria preciso um meio planeta suplementar. O artigo é de Eduardo Febbro, direto de Genebra.

Continuar lendo

Massacre no cinema

RETIRADO DO SITE Brasil de Fato

-x-x-x-x-x-x-x-x-

Somos animais de carne e osso com uma trágica consciência da dor, da maldade, da morte

Braulio Tavares*

Muita gente não tem a menor ideia de como um filme de longa-metragem é feito. Não sabe, e não se interessa em saber. Deve achar que é como filme de aniversário de criança: organiza-se a festa, chama-se o rapaz com a câmera, e no outro dia o filme está pronto pra passar. Não é assim. É um trabalho insano e cansativo, que envolve às vezes anos de preparação, meses e meses de execução, e no final deixa centenas de pessoas esgotadas de tanto esforço. E custa (geralmente) milhões de dólares – sempre com a expectativa de render bem mais.

Continuar lendo