Entre teoremas e estradas de ferro

RETIRADO DO SITE Revista Pesquisa, da FAPESP

-x-x-x-x-x-x-x-x-

Entre teoremas e estradas de ferro

Debate sobre matemática positivista abriu espaço para a ciência pura no Brasil

Por Carlos Haag, da Revista Pesquisa FAPESP

Para muitos historiadores, a fundação da Universidade de São Paulo, em 1934, marcou, enfim, o início da ciência moderna no Brasil: “É uma revolução intelectual e científica que mudará as concepções econômicas e sociais dos brasileiros”, nas palavras de Sérgio Milliet. Até então, afirmam, o país amargara um “isolamento científico”, culpa do grupo “autoritário e anticientificista” que impôs “ordem e progresso” à bandeira e aos brasileiros. Assim, numa curiosa distorção, o positivismo, cujo credo era a fé na ciência como alavanca de progresso e civilização, acabou “demonizado” como o grande obstáculo ao desenvolvimento científico nacional.

Continuar lendo

O positivismo que assombra o Brasil

RETIRADO DO BLOG do sr. Luis Nassif
-x-x-x-x-x-x-
Por aliancaliberal

Do Instituto Ludwig von Mises Brasil

O espírito que assombra o Brasil 

por Antony Mueller

N. do T.: o texto a seguir é de 2002 e foi escrito antes do primeiro turno das eleições presidenciais – ou seja, é anterior à Era Lula.  Fica a cargo do leitor ver se as características por ele descritas mudaram de lá pra cá, ou se elas apenas se aprofundaram. 

“Ordem e Progresso” tem sido o lema da bandeira brasileira desde que o país se tornou uma república em 1889. As palavras foram tiradas diretamente dos escritos de Auguste Comte. As ideias de Comte foram adotadas no século XIX pelas elites militares e políticas de grande parte da América Latina, e do Brasil em particular.[1]Desde então, o espírito de Auguste Comte tem assombrado o subcontinente, e as consequências práticas dessa ideologia têm sido desastrosas.

O positivismo de Comte é melhor descrito como sendo uma ideologia de engenharia social. Auguste Comte (1798-1857) acreditava que após o estágio teológico e o estágio metafísico, a humanidade iria entrar no estágio principal, o “positivismo”, que para ele significava que a sociedade como um todo deveria ser organizada de acordo com conhecimentos científicos.

Continuar lendo