Um pouco mais sobre cotas raciais


RETIRADO DO BLOG DO sr. Luis Nassif

-x-x-x-x-x-x-

Publicado por José Roberto Ferreira Militao em 24 agosto 2012

artigo publicado em 25/04/2012, ´Estadão´, antes do julgamento do STF que admitiu a possibilidade constitucional de direitos raciais segregados

O desafio enfrentado pelo Supremo Tribunal Federal é mais filosófico do que jurídico: se a segregação de direitos raciais pelo Estado viola o significado da igualdade humana e se isso está conforme o espírito e a letra da Constituição. Com o devido respeito a quem pensa diferente, essa segregação de direitos, apelidada de cotas raciais, encontra-se vedada pela consciência nacional, anunciada na cabeça do art.5º e expresso na letra do art. 19 da Carta: É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos municípios: III – criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si.  São cláusulas imperativas, que asseguram a igualdade de direitos, base fundamental da dignidade humana.

Os defensores da segregação de direitos raciais desprezam a igualdade humana trazida pelo iluminismo – Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos, deferida por Immanuel Kant – e sustentam a tese da desigualdade natural de Aristóteles: Se  os homens não são iguais, não devem receber coisas iguais.

Vivemos, enquanto colônia de Portugal, com leis que faziam discriminações pela cor, origem, religião e cultura. Porém, sob a influência iluminista do século 18, desde a primeira Constituição do Brasil, de 1824, a igualdade tem sido declarada e reiterada nas cartas. A de 1988 reafirma o primado da igualdade humana sem a hipótese da classificação racial para o exercício de direitos. É a expressão de nossa índole.

Em Raízes do Brasil (1936),  Sérgio Buarque de Holanda saudava a mistura de genes de três povos fundadores da nação: o nativo, o europeu e o africano, edificando no Brasil um ser miscigenado com caráter de ser nacional. Era a negação do decantado encontro de raças e do ser racial. O ser nacional, dizia Sérgio, é mutável, conforme suas circunstâncias. O ser racial fica submetido a uma prisão.

Em 1953, após a tragédia do nazismo, o sociólogo Oracy Nogueira, da USP, publicava tese de doutorado, um clássico da sociologia, Tanto Preto, Quanto Branco,  com pesquisas que revelavam que para o norteamericano o que importava era a raça (origem), enquanto para o brasileiro era a cor (marca),  razão pela qual não tivemos ódios raciais, embora tenhamos as discriminações de cor. Em 2009, a pesquisadora Francisca Cordélia, da UnB, chegava à mesma conclusão, lamentando: “Os brasileiros não reconhecem sua identidade racial”.

Pesquisa divulgada no Rio de Janeiro, em 2008, atestava: 63% dos afrobrasileiros são contra a segregação de direitos raciais. Política racial, mesmo de boa-fé, é terapia estatal para uma doença inexistente: não temos identidade racial.

A questão em julgamento não são as políticas públicas de inclusão de afrobrasileiros nas universidades públicas, o que poderá ser contemplado pelo critério de cotas sociais ampliando as oportunidades aos mais pobres, dos quais 70% são pretos e pardos. O que se disputa é a possibilidade da segregação de direitos raciais pelo Estado. Os defensores falam em diversidade racial. Nós contrapomos o império do pensamento da diversidade humana. A diversidade racial significa o Estado conferindo validade à tese racista da classificação racial, que nós repudiamos.

O que está sob julgamento é se a Carta Cidadã permite a discriminação estatal com base em direitos raciais segregados. É disso que tratamos nesse julgamento histórico e cuja deliberação influenciará a harmonia social de futuras gerações.

Ortega y Gasset, o filósofo espanhol, nos diz da responsabilidade ética da atual geração entregar à futura um ambiente social melhor do que o recebido. A nossa geração, de brasileiros pretos, pardos e brancos recebeu uma sociedade sem direitos segregados pela raça e sem ódios raciais. Como vamos entregá-la? Serão gerações de raças preta, parda e branca cada qual com direitos segregados?

Anúncios

Um comentário sobre “Um pouco mais sobre cotas raciais

  1. Fabiana Melo Sousa disse:

    Oi Hercules Xavier Ferreira, comento porque gosto de ler as tuas postagens, mas não gosto de discussões pela internet, tenho uma preguiça …

    Achei interessante embora eu discorde desses argumentos que evocam a igualdade de raças no sentido biológico (somos iguais em DNA), existencial (filosoficamente), mas desconsidera que no sentido sociológico somos diferentes. A discussão sobre cotas já pode ser estabelecida a partir da experiência em universidades publicas, como a UERJ, que já trazem dados que investigam há mais de dez anos a aplicação de cotas e os resultados são muito interessantes, derrubaram mitos e opiniões que na prática não se sustentaram.

    Mas concordar com o sistema de cotas não quer dizer necessariamente que eu concordo sem restrições, pois na verdade sabemos que o que precisa ser transformado é o modelo de educação que vivenciamos, a situação das universidades públicas e tudo o mais, no entanto não dá pra esperar o Brasil ficar perfeito para depois mudar as coisas. No mais, o cerne desta discussão é o modelo de vestibular, que na verdade é um grande funil segregador.
    Agradeço o espaço de discussão. Parabéns pelo trabalho.

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s