Índia: cerimônia rebatiza meninas “indesejadas”


RETIRADO DO blog do sr. Luis Nassif

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

Índia: cerimônia rebatiza meninas “indesejadas”

Enviado por luisnassif, qua, 26/10/2011 – 13:00
Por ROSE

Na Índia e na China, a forma adotada para controle de natalidade não é a mesma, mas gera consequência parecida: milhões de meninas abortadas, assassinadas no nascimento, abandonadas – e fatalmente, muitos homens ficarão sem esposa no futuro, por insuficiência de mulheres disponíveis.  Mas, se na Índia o infanticídio feminino – talvez – seja menos radical que na China, por outro lado não é tão menos cruel o costume de ‘batizar’ as meninas como “Indesejada”…  E pode haver muitas mais, além do que diz a notícia.

Do Jornal da Tarde

Meninas ‘indesejadas’ ganham nome na Índia

Autoridades indianas organizaram uma cerimônia para dar novos nomes a 222 meninas batizadas de Nakushi (Indesejada). Na Índia, as garotas são vistas frequentemente como seres inferiores aos meninos, e o dote de uma noiva também pode trazer problemas financeiros às famílias.

Segundo o diário The Indian Express, a cerimônia acorreu no distrito de Satara. A intenção do governo seria a de “fomentar” o prestígio das meninas na região ocidental de Maharashtra.

Nessa região, segundo os últimos dados estatísticos, nascem apenas 881 meninas a cada mil meninos devido aos abortos seletivos e feticídios promovidos por pais insatisfeitos com a chegada de uma garota à família.

Por tradição, o primeiro filho perpetua a linhagem, herda a propriedade e cuida de seus pais na velhice, enquanto, no caso das meninas, os pais devem pagar um vultoso dote à família do noivo.

No distrito de Satara, as autoridades produziram neste ano uma pesquisa para saber quantas meninas se chamavam Nakushi. Feita a contagem, o oficial de saúde do distrito, Bhagwan Pawar, descobriu se tratar de 222.

“Os pais deixam claro que não queriam que seu bebê fosse menina. Esta região tem terras muito férteis e uma indústria poderosa, pelo que os pais acreditam que os meninos poderiam trabalhar a terra e ganhar mais dinheiro”, afirmou Pawar à agência de notícias EFE.

Segundo disse ao The Indian Express o assessor de comunicação do distrito de Satara, U. B. Sawant, as meninas poderão escolher o nome que terão a partir de agora. O censo de 2011 revelou que há na Índia 7,1 milhões de meninas a menos do que o número de meninos com idades entre 0 e 6 anos.

Além disso, no total da população indiana (1,2 bilhão de pessoas) há 940 mulheres em cada mil homens. Dados do governo sugerem que cerca de 10 milhões de meninas foram mortas por seus próprios pais nos últimos 20 anos – ainda no ventre materno ou pouco depois de nascer.

Há anos a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) luta para erradicar a violência contra meninas e mulheres na Índia, China, Paquistão e Bangladesh.

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s